Origem

 
No dia 1º de Março de 2020, o programa Fantástico da emissora Rede Globo exibiu uma matéria que tratava o abandono, a violência e o preconceito vividos por 700 mulheres trans confinadas em presídios masculinos no estado de São Paulo. A matéria começava com Drauzio Varella, médico voluntário há 30 anos em penitenciárias, em um encontro com mulheres trans presas no Centro de Detenção Provisória de Pinheiros, onde temos acesso a informações sobre a vida de diferentes mulheres. Quando foi ao ar, o trecho que ganhou a atenção de boa parte do Brasil foi da conversa de Drauzio com Suzy de Oliveira.
 
Na conversa, Suzy fala sobre as lutas que as mulheres trans enfrentam ao chegarem nos presídios e, também, anuncia sua condição médica testada como soropositiva. A conversa entre Drauzio e Suzy segue em relação à vida afetiva da detenta que admite estar separada de seu marido, transferido para outro centro de detenção. Após ser questionada pelo médico sobre a quanto tempo ela não recebe nenhuma visita, Suzy responde oito anos. Eis, então, que surge a seguinte fala do médico: “Solidão, né, minha filha?”, logo depois Drauzio abraça a mulher.
 

Difusão e Repercussão

 
A primeira reação de boa parte dos espectadores foi uma grande onda de comoção em solidariedade à mulher presa. Em cinco dias, Suzy começou a receber presentes de pessoas comovidas com a reportagem que foi ao ar. Segundo o site G1, além de 234 cartas, Suzy recebeu livros, bíblias, maquiagens, chocolate, cartas de grupos religiosos e até uma vaquinha foi criada com o nome “Levar amor à Suzy na Penitenciária”. Contudo, outra parte dos espectadores não teve a mesma iniciativa e resolveu procurar o verdadeiro motivo para Suzy ter sido presa. No dia 08 de março, dias depois de ter recebido presentes, a repercussão mudou de rumo.
 
O site O Antagonista divulgou o motivo da prisão dela. Segundo a sentença, a detenta cumpre pena por estupro seguido de assassinato de uma criança. Após a divulgação da notícia, os alvos das críticas se tornaram a Rede Globo e Drauzio Varella.
 

Ver essa foto no Instagram

A vontade de passar uma ideologia marxista e imoral é tão grande que não se avalia os básicos detalhes de um jornalismo sério! Nota zero para o dr. Drauzio Varela e @redeglobo que transformaram em vítima um cruel pedófilo que estuprou e matou com requinte de crueldade um menino de 9 anos! Todos merecem uma segunda chance e Deus pode perdoar qualquer pecado (I João 1:7), mas banalizar a crueldade, ignorar a dor de uma família que perdeu seu filho, só pra encher a sociedade de uma cultura sexual irresponsável e liberal, é um absurdo!

Uma publicação compartilhada por Josué Valandro Jr. (@josuevalandrojr) em


 
Um dia depois, a advogada de Suzy divulgou um vídeo de esclarecimento referente ao caso de sua cliente e uma carta que a própria escreveu, dizendo o seguinte:
 
“Eu, Suzy Oliveira, “Rafael Tadeu”, venho dizer que na entrevista ao jornal ‘Fantástico’ não me foi perguntado nada referente ao B.O. Eu sei que errei muito. Nenhum momento tentei passar como inocente e desde aquele dia me arrependi verdadeiramente e hoje estou aqui pagando por tudo que eu cometi… Errei sim e estou pagando cada dia, cada hora, cada minuto aqui neste lugar. Antes não tinha essa oportunidade, agora que estou tendo, apenas quero pedir perdão pelo meu erro no passado…
Rafael Tadeu
Suzy Oliveira”
 

Ver essa foto no Instagram

Esclarecimento Referente ao caso Suzy.

Uma publicação compartilhada por ʙʀᴜɴᴀ ᴘᴀᴢ ᴄᴀsᴛʀᴏ (@brunacastrocriminal) em


 
Diante disso, Drauzio postou em seu Portal uma nota de esclarecimento e, logo depois, um vídeo sobre a reportagem.
 


 
Passada toda a onda de repercussões sobre a matéria do Fantástico, a fala “Solidão né, minha filha?” dita por Drauzio na entrevista passou a ser reapropriada em situações que levam em consideração o atual cenário do coronavírus, da economia mundial e, principalmente, da quarentena.
 
Os memes são bastante difundidos no twitter, em formatos de tweets simples, sem utilização de imagens, ou veiculados com uma imagem do próprio Drauzio acompanhada da mudança de contexto da frase original.
 

Gêneros e formatos

O meme “né, minha filha?” é considerado do tipo “snowclone”, em que certas palavras podem ser substituídas por outras para produzir novas variações com significados alterados, e também do tipo “image-macro”, pois são compostos por uma imagem principal e legendas sobrepostas, geralmente escritas em fonte Impact branca, borda preta e letras maiúsculas. No caso da ausência de imagem, é também considerado uma “catchphrase”, ou seja, uma frase ou expressão reconhecida por sua repetição de expressão.
 

Exemplos notáveis


 

 
Telino Knuckles
0 publicações
0 comentários
About / Bio
*CLUCKING*
Para todas as nossas falhas, apesar de nossas limitações e habilidades, nós, seres humanos, somos capazes de grandezas. ‐ Carl Sagan (OBS: Infelizmente ele não viveu o suficiente para ver o VR Chat Knuckles.)

Telino Knuckles é graduanda em Estudos de Mídia pela Universidade Federal Fluminense, fotógrafa do #MUSEUDEMEMES e do Teatro Popular Oscar Niemeyer, coordenadora da Equipe de Comunicação Institucional de Estudos de Mídia, faz tudo de comunicação, hiperativa e ansiosa. DO U KNOW THE WAY?
 
 

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *