Do meme inglês, Dancing Pallbearers ou Dancing Coffin, o Meme do Caixão, como ficou conhecido no Brasil, se popularizou entre os brasileiros durante o período de quarentena contra a Covid-19 – em março e abril de 2020. O Google Trends mostra que houve um pico nas pesquisas pelo meme no começo de abril:
 

 
Primordialmente, o meme começou a ser replicado a partir de vídeos cujo conteúdo era carregadores de caixão ganeses dançando enquanto carregavam um caixão. De acordo com o site Know Your Meme, não é possível precisar qual foi o primeiro vídeo a utilizar a música eletrônica Astronomia, de Tony Igy, mas o mais antigo registrado é de 26 de fevereiro de 2020, postado pelo usuário @lawyer_ggmu (anteriormente @khvichagogava), no TikTok. O vídeo Fail / Epic Fail, de um autor desconhecido, mostrava uma pessoa esquiando com um desfecho infeliz ou sem sucesso, depois de uma manobra, ao som da canção EDM. E foi seguindo esse formato, de modo semelhante aos memes To Be Continued e We Be Right Back, que o Meme do Caixão passou a ser conhecido.
 

Origem

Os carregadores de caixão ganeses ganharam popularidade na internet em 2015, quando um vídeo foi publicado no YouTube, por Travelin, descrevendo o fenômeno cultural da dança dos carregadores de caixão ganeses, isso porque, em Gana, na África, dançar com o caixão é uma tradição antiga e comum. Os ganeses contratam dançarinos especiais para o funeral, a fim de enviar os mortos para o outro mundo de maneira alegre. Ainda segundo o site Know Your Meme, de acordo com a BBC News Africa, um segundo vídeo foi enviado ao YouTube em 2017. Já em 2019, um terceiro vídeo mostrou os carregadores acidentalmente derrubando um caixão durante a dança. Postado pela primeira vez pelo usuário do Facebook Bigscout Nana Prempeth, no mesmo ano foi postado também no YouTube.
 

 

Difusão e repercussão

Desde fevereiro de 2020, vídeos Fail / Epic Fail – com a música Astronomia como trilha, sugerindo que a pessoa morre no final – passaram a ser largamente difundidos no TikTok. Nas semanas seguintes, o meme passou a ser replicado no Twitter, no Instagram, no Facebook, no WhatsApp, entre outras plataformas online. Sobretudo no Brasil, o Meme do Caixão, com os carregadores de caixão ganeses, passou a refletir os acontecimentos acerca da Covid-19, como os prováveis efeitos trágicos da suposta demissão do Ministro da Saúde pelo Presidente da República.
 

Gêneros e formatos

Inicialmente o meme começou como um vídeo, cuja replicação passou a contar com o acréscimo de música e imagens de outros eventos cotidianos (FAIL/EPIC FAIL), ao som da música “Astronomia”, de Tony Igy, como trilha. Pode ser considerado um “meta-meme” por fazer referência a outros memes e recombiná-los. A própria música “Astronomia”, de 2010, é utilizada em diversos vídeos do YouTube e do TikTok, funcionando como trilha em variados contextos. A cantora Azealia Banks utilizou o sample como base de Used To Being Alone, em 2016, ou seja, a música atravessa diferentes produtos culturais e é recombinada, dando a ela o status de um meme. O Meme do Caixão também vem ganhando algumas versões em imagens exploitables e figurinhas de WhatsApp.

Exemplos notáveis

 

 
 
 
Popolin Mello
1 entry
0 comentários
Nome
Guilherme Popolin
About / Bio
Ele mesmo, Popolin Mello. Cresceu em Rolândia (PR) ouvindo os disquinhos da Xuxa ao contrário. É doutorando em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense (UFF), jornalista e mestre em Comunicação pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Apesar de ser do Paraná, o sul não é o seu país e a sua república não é a de Curitiba. Além de pesquisar memes e Comunicação Política, gosta de discutir com quem entende de Britney Spears, pois, há mais de 20 anos, o seu trabalho é divulgar e enaltecer o trabalho da maior diva do pop. Se não conhece a história da Britney Spears, você vai ser muito criticada, viu?!

2 comentários

  1. mariane disse:

    Adorei! muito obrigada pela explicação!

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *