Eleição presidencial estadunidense 2020

Origem

 
Embora a contagem dos votos ainda não tenha chegado ao fim, matematicamente falando Joe Biden acaba de conquistar as eleições presidenciais de 2020, tornando-se, então, o 46º Presidente dos Estados Unidos da América . Entretanto, foi uma longa espera até as autoridades e veículos jornalísticos anunciarem este resultado, já que devido à pandemia do coronavírus, muitos cidadãos estadunidenses optaram por enviar seus respectivos votos pelo Correio , gerando, assim, uma demora maior que em anos anteriores.
 
Além disso, a conjuntura do país durante o ano eleitoral – formada não apenas pela sua liderança no número de casos e mortes por Covid-19, mas por uma forte polarização política, manifestações populares contrárias ao racismo e à violência policial e, ainda, um presidente que, durante seu mandato, disseminou informações não verificadas e teorias da conspiração acerca de assuntos políticos – fez com que o comparecimento popular às urnas alcançasse números elevados, impactando também a duração do processo de contagem dos votos. Nessa esteira, o democrata Biden conseguiu, inclusive, superar o recorde de votos populares, que antes era de Barack Obama.
 
Entretanto, não foram apenas os históricos números da votação realizada pelo correio ou o alto comparecimento eleitoral no dia 03 de novembro que caracterizaram a demora por um resultado efetivo. Eleito em 2016 com uma ampla margem sobre a democrata Hillary Clinton e buscando a reeleição em 2020, Trump não reagiu bem à contagem dos votos. Sem provas, o agora ex-presidente dos Estados Unidos fez diversos pronunciamentos afirmando que o desempenho superior de Biden em estados como Michigan e Nevada só poderia ser justificado por fraude eleitoral que, para o republicano, estaria sendo orquestrada pelo Partido Democrata.
 
Referindo-se aos votos enviados pelo Correio – que foram caracterizados por uma expressiva adesão entre eleitores democratas – como ilegais, Trump chegou a esbravejar: Stop the count! (Parem a contagem!). Junto a isso, sua equipe de advogados entrou com diversas ações legais, solicitando a interrupção da contagem dos votos em estados-chave, como Michigan, Nevada e Geórgia. Embora a equipe tenha perdido diversas dessas ações, devido a sucessivas rejeições judiciais, os ataques legais foram suficientes para interromper temporariamente algumas das votações que, vale lembrar, já estavam caminhando lentamente devido ao formato eleitoral norte-americano.


 


 


 


 
Esse contexto de espera e incerteza tornou-se ainda mais angustiante para aqueles que acompanhavam a apuração, já que esta foi praticamente paralisada justo quando o então candidato Democrata conseguiu abrir uma longa margem contra Trump. Assim, sendo necessário alcançar 270 delegados para conquistar a eleição, a apuração estacionou quando Biden possuía 264 e Trump 214. Nessa conjuntura, cinco estados ainda não haviam finalizado as suas contagens: Nevada, Alasca, Geórgia, Carolina do Norte e Pensilvânia.
 

Ver essa foto no Instagram

LIVE LOOK at Nevada. 😂😂 #election2020 #Comedy #TikTok

Uma publicação compartilhada por B Mo the Prince (@bmotheprince) em


Destes, Nevada, Geórgia e Pensilvânia conquistaram protagonismo. Enquanto o primeiro – que possuía exatamente o número de votos necessários para Biden conquistar a presidência – teve sua contagem paralisada em um cenário no qual o democrata liderava de forma apertada; o segundo trouxe mais esperança para apoiadores de Biden, quando o então candidato conseguiu assumir a liderança do estado, ainda que este tenha um consolidado histórico de conservadorismo e que tenha sido liderado por Trump durante os primeiros dias de apuração. Nessa conjuntura, Pensilvânia foi o estado que deu a vitória a Joe Biden, após a virada do democrata no dia 06/11.
 


 


 

Ver essa foto no Instagram

#Election2020 #DragonBallSuper Edition

Uma publicação compartilhada por KaDom Koan (@bronxster) em


 
Frente a estes acontecimentos e ao sentimento de incerteza por eles despertados, memes de internet começaram a circular por redes como Twitter e Instagram, demonstrando o caráter sincrônico desses produtos culturais. Nesse sentido, memes que apontavam a incoerência no fato de uma super potência utilizar um sistema eleitoral arcaico ou que frisavam a demora na contagem em Nevada foram amplamente circulados. Junto a estes, também se popularizaram memes que ironizavam os pronunciamentos de Trump, sobretudo a frase “Stop the count!”, comparando-o a uma criança mimada, além daqueles que debochavam de Jair Bolsonaro, presidente brasileiro que mantém uma relação quase fanática, mas não necessariamente recíproca, com Donald Trump.


 

Difusão e Repercussão

 
Os memes acerca do contexto eleitoral norte-americano de 2020 circularam, sobretudo, a partir de indexações em hashtags, como #Election2020 e #Elections. Estas, que continham não apenas memes, mas conteúdos informativos acerca do processo eleitoral, ganharam destaque no Twitter, aparecendo nos Trending Topics mundiais durante todo o período da contagem dos votos, e no Instagram em mais de 1 milhão de publicações. No TikTok, a #Election2020 obteve mais de 1,2 bilhão de visualizações e, como nas redes citadas anteriormente, indexou tanto conteúdos informativos quanto memes acerca da votação. Estes, por sua vez, apareceram em menor número no WhatsApp, principalmente a partir de figurinhas de Joe Biden, Donald Trump e por meio de reações fictícias a cada desdobramento da cena política eleitoral.
 
Para além das redes sociais on-line, os memes acerca das eleições estadunidenses de 2020 também apareceram em veículos e portais jornalísticos, tamanha a sua repercussão. Assim, diversas matérias nos sites do EL PAÍS, Correio Braziliense, UOL, BBC, G1, Hugo Gloss, IG, Folha de São Paulo e Lance! apontavam para o protagonismo dos memes no referido contexto.
 

Gênero e Formatos

 
Ainda que algumas temáticas específicas tenham se popularizado mais do que outras – como as reações inflamadas de Trump ou a questão da demora no processo de contagem dos votos – os memes acerca das eleições norte-americanas de 2020 foram diversos, tanto no que diz respeito aos assuntos abordados quanto em seus respectivos formatos.
 
Entretanto, observamos alguns padrões de circulação: memes em formato Catchphrase que utilizaram a frase de Trump ,“Stop the count”, como um bordão para ridicularizá-lo ou ainda memes em formato Exploitable, contendo montagens gráficas com Biden, Trump e até Jair Bolsonaro, circularam amplamente. Junto a estes, o formato Image Macro, caracterizado por imagens com legendas sobrepostas, e o Faceswap, no qual o rosto de uma pessoa é sobreposto ao de outra, gerando um efeito de paródia, também se popularizaram. Memes que visam expressar reações a determinados desdobramentos a partir de imagens ou vídeos, isto é, Reaction Face ou Reaction GIF, ganharam destaque, sobretudo no WhatsApp.
 

Exemplos Notáveis

 

 
 
As 30 personalidades de Lelê a 80km/h
0 publicações
0 comentários
Nome
Letícia Sabbatini
About / Bio
Lelê a 80km/h já foi aspirante a pedreira, médica, chefe de cozinha e bailarina. Acabou caindo no jornalismo por escolha de suas outras 26 personalidades (viva la democracia!). Mestranda em Comunicação pela UFF e jornalista pela UFRRJ, Letícia se dedica a pesquisar tecnologias com recortes de gênero, mas também é obcecada por Masterchef, filmes da Disney e séries de investigação criminal.
Email
leticiasabbatinimalta@gmail.com

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *