1º Turno das Eleições Municipais 2020

Origem

 
No último domingo, dia 15/11, ocorreu o primeiro turno das eleições municipais brasileiras e, assim como observamos durante a recente votação nos Estados Unidos, houve uma alta circulação de memes de internet, que trataram sobre diversos aspectos da conjuntura nacional e, especificamente, de alguns contextos estaduais e municipais.
 
Como sabemos, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) precisou, mediante a pandemia de Covid-19, realizar algumas adaptações e mudanças para o dia da votação. Algumas delas envolveram diretamente o uso do aplicativo móvel e-título, fortemente divulgado, no período anterior à votação, como uma ferramenta gratuita e simples que permitiria, por exemplo, a obtenção da via digital do título de eleitor e o acesso a dados, como a zona eleitoral e situação cadastral do cidadão. Dessa forma, mesmo antes da votação, começaram a circular memes que ironizavam, principalmente, as fotos presentes no documento online.
 

 
No dia 15/11, a versão atualizada do aplicativo ascendeu novamente na discussão pública, sobretudo, por permitir que os eleitores justificassem a sua ausência a partir de poucos cliques, sendo esta uma funcionalidade relevante se considerarmos a pandemia ainda ativa. Entretanto, o e-título apresentou alta instabilidade, o que dificultou – e em alguns casos, impediu – que os cidadãos de fato justificassem sua ausência, gerando diversas reações indignadas na internet.
 
Junto a isso, também circularam memes contrários ao sistema eleitoral brasileiro, mais especificamente, às urnas eletrônicas. Vale dizer que essa narrativa de desconfiança não foi uma novidade deste primeiro turno, já que, por diversas vezes, o presidente Jair Bolsonaro pôs em dúvida a confiabilidade das urnas, alegando que o atual sistema seria propicio à fraude eleitoral. Em março deste ano, Bolsonaro chegou a afirmar, em um evento em Miami, que as eleições presidenciais de 2018 foram fraudadas e que ele, na realidade, teria vencido em primeiro turno. O presidente, entretanto, não divulgou nenhuma prova acerca desta suposta fraude.
 
Essa narrativa, que circula amplamente pelas redes bolsonaristas, ganhou fôlego mediante a alguns acontecimentos recentes, como os ataques hackers ao sistema do Tribunal Superior Eleitoral e a demora na contagem e divulgação dos resultados, devido a um problema técnico com um supercomputador. A esfera conspiracionista cresceu tanto frente a esse contexto – não apenas a partir de memes, mas de publicações no Facebook e mensagens no WhatsApp – que o ministro Luís Roberto Barroso, presidente do Tribunal, foi a público falar sobre o ocorrido. Na coletiva de imprensa, Barroso reforçou a efetividade e a segurança do atual sistema eleitoral. Por outro lado, também circularam memes que elogiavam as urnas eletrônicas, sobretudo, em comparação com o sistema adotado nos Estados Unidos.
 
Assim, conforme a apuração dos votos voltou ao normal e os resultados dos municípios foram divulgados, mais memes começaram a circular. Identificamos, a esse respeito, uma grande quantidade de memes referentes à ascensão da candidatura de Guilherme Boulos (Psol) à prefeitura de São Paulo. Esses conteúdos, quando contrários a Boulos, ironizaram sua aparência e fizeram associações negativas entre ele e o Partido dos Trabalhadores (PT). Já os favoráveis ao candidato, comemoraram o desempenho da esquerda e satirizaram o baixo rendimento de Celso Russomano (REP), apoiado por Jair Bolsonaro. Frente a essa conjuntura também foram comuns memes comparando a situação da cidade de São Paulo com o Rio de Janeiro, onde a esquerda se dividiu e os candidatos que chegaram ao segundo turno foram Eduardo Paes (DEM) e Marcelo Crivella (REP).
 

Difusão e Repercussão

 
Os principais palcos para a circulação de memes acerca das eleições municipais foram o Twitter, Instagram, Facebook e WhatsApp. No Twitter, por exemplo, estes conteúdos apareceram na #eleições2020, enquanto no Instagram, além da hashtag, também circularam pelos Stories e Reels. Alguns portais informativos e jornalísticos, como o G1, Catraca Livre, Tribuna e UOL, veicularam a alta presença destes memes. O Catraca Livre, frente a alta abstenção deste ano, chegou a afirmar ironicamente que a eleição gerou mais memes do que votos. Algumas figuras públicas, como Manuela D’avila (PCdoB) – que avançou para o segundo turno como candidata à prefeitura de Porto Alegre – e o Tribunal Regional de Alagoas também compartilharam memes eleitorais.
 

Gênero e Formatos

 
Os memes circulados durante o primeiro turno das eleições municipais de 2020 apresentaram formatos diversos. Dentre estes, memes do tipo Exploitable foram comuns, fazendo circular amplamente montagens gráficas com a imagem de candidatos, por exemplo. Além disso, também observamos a relevante presença de memes classificados como Image Macros, ou seja, aqueles que utilizam imagens com legendas sobrepostas. Reaction Face que, como o nome nos indica, representa reações do interlocutor a um dado acontecimento ou comentário também circularam, sobretudo, no Twitter.
 

Exemplos Notáveis

 

 
 
As 30 personalidades de Lelê a 80km/h
0 publicações
0 comentários
Nome
Letícia Sabbatini
About / Bio
Lelê a 80km/h já foi aspirante a pedreira, médica, chefe de cozinha e bailarina. Acabou caindo no jornalismo por escolha de suas outras 26 personalidades (viva la democracia!). Mestranda em Comunicação pela UFF e jornalista pela UFRRJ, Letícia se dedica a pesquisar tecnologias com recortes de gênero, mas também é obcecada por Masterchef, filmes da Disney e séries de investigação criminal.
Email
leticiasabbatinimalta@gmail.com

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *