Memes, hashtags e manifestações de 2014

Origem

Como já exemplificamos antes, os memes estão sendo cada vez mais explorados como forma de participação política. Tal prática foi ampliada nos últimos anos – após a ascenção da internet -, transformando em discussão atos como os de comentar em blogs e postar piadas sobre políticos em redes sociais.

Em junho de 2013, tivemos a maior demonstração de que os brasileiros podem se unir (muitas vezes, através de ambientes virtuais), o que levou à criação de memes e hashtags que, além de chamar a atenção dos nossos governantes, também incentivaram muitos manifestantes a saírem às ruas e protestar.

As manifestações começaram após o aumento de 0,20 centavos na tarifa do transporte público em diversas cidades, principalmente nas capitais. Junto a isso, surgiram as hashtags #VemPraRua (chamando as pessoas para lutarem por seus direitos em passeatas por vários municípios) e #Nãoésópor20centavos (querendo dizer que, na verdade, o aumento da taxa dos transportes públicos foi apenas a “gota d’água” para que as pessoas resolvessem reclamar por seus privilégios).

Tais atos ganharam grande apoio popular em meados de junho, depois da forte repressão policial apresentada contra os manifestantes. Em seu auge, o movimento levou milhões de brasileiros a protestar por vários temas, como os gastos públicos destinados à Copa – que originaram o meme “Não vai ter Copa” -, a má qualidade dos serviços públicos e a indignação com a corrupção política. Devido à tamanha quantidade de brasileiros reivindicando por condições políticas mais justas e salubres, uma nova hashtag foi criada: #OGiganteAcordou.

Gênero & Formatos

O slogan “Vem Pra Rua” derivou-se de uma propaganda feita pela marca de carros Fiat em homenagem à Copa do Mundo de 2014, sediada no Brasil. O povo que protestava nas ruas se apropriou do “jingle” para criar não só um nome para o seu movimento, mas também para convidar todos os brasileiros a se manifestarem por seus direitos. A partir dele, foram criados vídeos e cartazes que ganharam força através de compartilhamentos em redes sociais.

A hashtag #Nãoésópor20centavos surgiu quando, quem não estava completamente engajado no protesto, perguntava porquê as manifestações não pararam depois que houve o reajuste da passagem ou, até mesmo, porquê as pessoas estavam reclamando tanto por causa de apenas 0,20 centavos. Os manifestantes começaram a responder que a questão nunca foi os 0,20 centavos em si, sendo ela somente o estopim para outros problemas que já vinham acontecendo, inclusive ligados ao transporte público.

Não temos como saber, no entanto, se quem começou a criar as montagens de celebridades do mundo todo com a plaquinha dos 0,20 centavos tinha a intenção de enganar no sentido de “até eles nos apoiam” ou se queria, simplesmente, criar montagens baseadas no assunto do momento. Independente disso, surgiram diversas delas pela internet.

Já a hashtag #OGiganteAcordou faz referência ao trecho do hino nacional que sentencia “Gigante pela própria natureza”, dizendo que o “gigante”, na verdade, é o povo brasileiro (que acabou acordando de um período de hibernação que o levou a acatar decisões governamentais sem, no entanto, lutar por seus interesses). Além disso, a hashtag também se apropriou da propaganda publicitária da marca de uísques Johnnie Walker, que havia feito, pouco tempo antes, uma homenagem ao Rio de Janeiro, pregando que “o gigante não está mais adormecido”.

Difusão e Repercussão

Todos os memes citados aqui, sejam as hashtags, as paródias, a apropriação do “jingle” da Fiat ou as montagens com celebridades fazem parte de um grupo que a autora Limor Shiffman classifica como “Memes como base de ação”; tendo eles uma ligação central entre o pessoal e o político. Esse tipo de meme é fortalecido pela ação coordenada dos usuários, sendo um grande exemplo de que a união realmente faz a força.

Até hoje, as páginas no Twitter e no Facebook do “Vem Pra Rua” ainda estão ativas e recebendo publicações frequentes. O meme não está mais sendo usado com a regularidade de outrora, mas conseguiu marcar seu lugar não só na internet, como na história de um país.

Exemplos Notáveis

 

” view=”description]  
 

1 comentários

  1. Renato Maia disse:

    primeiro

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *