Hoje tem gol do Gabigol

Origem

No dia 6 de abril de 2019, em um clássico Fla X Flu no Maracanã, surgiu um novo bordão responsável por ultrapassar os limites da resenha esportiva. Foi a primeira vez que o jogador do Flamengo Gabriel Barbosa, fez um gol e na comemoração ergueu uma placa com os dizeres “Hoje tem gol do Gabigol”. Uma frase que foi a partir de ali gritada nos mais diversos locais pelo Brasil e pelo mundo, e mais ainda replicada por toda a internet, ocupando todas as redes, canais e formatos possíveis. Um meme que conseguiu vagar por ambientes distintos do que se esperava de seu meio original futebolístico. Reação que marca a confiança de uma torcida de futebol em seu auge de euforia para com o clube, e ainda representa a força publicitária dessa marca pela sua capacidade de viralização.
 
A placa entregue pelo torcedor Fernando de Souza da Fonseca, mais conhecido como o chapolin rubro-negro, foi novamente sendo utilizada nas comemorações do jogador durante o ano. Porém foi em julho, a partir do segundo jogo contra o Emelec pela Copa Libertadores, que o meme teve seu maior momento de exposição. Jogo esse em que Gabigol marcou duas vezes e levantou a placa novamente. A partir de uma difícil classificação e uma atuação vital do jogador, a frase explodiu nas redes sociais, símbolo da satisfação com a participação do craque e da felicidade com a situação vitoriosa do clube.
 

Difusão e Repercussão

O fenômeno foi imediato, a frase invadiu transmissões da tv ao vivo, sejam as de esporte, ou em coberturas políticas, de eventos de música, do trânsito, ou até mesmo da violência… Quaisquer fosse o ambiente toda hora, lugar e espaço era utilizado pelo torcedor para falar a frase, mostrar um cartaz ou fazer algum tipo de menção ao meme. As aparições foram das mais diversas, do Rock In Rio a um jogo internacional de tênis, apareceu na frente de linhas de ônibus, foram criadas dezenas de figurinhas de Whatsapp, ganhou matérias em sites internacionais, virou letra de funk, ganhou versão em libras, etc… e a todo jogo as placas com a frase se multiplicavam pelo estádio.
 
A boa fase do jogador, que conseguiu uma média de quase 1 gol por jogo durante a temporada, sustentava semanalmente a evidência contínua da frase nas redes. Outro motivo para o sucesso foi da apropriação do bordão pelas páginas oficiais do clube e por mesmo assim manter-se ligado a espontaneidade da criação feita pelo torcedor. A frase apesar de não rimar e repetir o mesmo termo duas vezes, ganhou notoriedade pela simplicidade e de funcionar como um mantra pelo torcedor que mantém a expectativa positiva pro jogo.
 
A propagação nacional do meme foi comprovada enquanto o time do Flamengo fazia suas viagens pelo Brasil durante o Campeonato Brasileiro, estádios em Brasília, Minas Gerais, Bahia, Porto Alegre… em todos os jogos apareciam plaquinhas feitas pelos torcedores da região com a frase.

 

Gênero e Formatos

O meme pode ser aplicado dentro da categoria de “catchphrase”, e é assim definido por apresentar características de um bordão, um slogan ou uma frase marcante. Além disso, o meme entra dentro da categoria de memes de “ação popular” por ter sua origem e propagação em uma construção coletiva de sentido. O sucesso ainda levou a proliferação de memes relacionados a essa frase, os chamados “meta-memes” como: “hoje tem festa na favela”,”sábado tem gol do gabigol”,”domingo tem gol do gabigol”, a versão em inglês “today will be a goal do gabigol”, “hoje tem aquecimento do gabigol”, etc… e é claro o “contra-meme”, “hoje não vai ter gol do gabigol” feito pelos rivais quando o jogador não conseguia ter sucesso nos jogos.

 

Exemplos Notáveis

 
Percebe cavalo a Petulancia do Raphael
0 publicações
0 comentários
About / Bio
Acostumado aos cavalos da roça, o Petulante Raphael veio se aventurar com os animais da internetê e os gênios da criatividade. Amante da sétima e das outras artes, de ambiente de música, da maromba crossfiteira, e ajudando o país tanto quanto os dançarinos do impeachment, é voluntário do projeto #MUSEUdeMEMES e aluno de graduação, em Estudos de Mídia, na UFF.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *