Criança Viada

Origem

Em meados de 2012, o jornalista Iran Giusti percebeu, vendo fotos suas e de seus amigos na infância, que diversos desses registros os mostravam em poses diferentes, que fugiam do padrão de comportamento de sexualidade e gênero imposto pela sociedade. Iran classificou a si e aos amigos nessas fotos como “crianças viadas” e criou, logo em seguida, um Tumblr homônimo – em que ele reuniu estas imagens, acompanhadas de legendas divertidas.
Imediatamente, a página começou a ser compartilhada e várias outras pessoas passaram a enviar fotos suas em poses “viadas” para serem publicadas pelo blog. Assim, ele passou a ganhar ainda mais repercussão e, no mesmo ano, se popularizou definitivamente.

Gênero e Formatos

O meme pode ser classificado como amador. Embora tenha a lógica semelhante ao tipo “image macro” – imagens com legendas sobrepostas -, não pode se enquadrar nesta categoria, pois as legendas não vêm coladas à imagem, somente as acompanham nos posts do Tumblr.

Gramática/Sintaxe

O humor do meme é construído a partir das fotos e das poses inusitadas e divertidas das crianças, além das legendas que as acompanham. Estas são sempre curtas, divertidas e dialogam com a foto correspondente. Por exemplo, em uma foto que retrata um menino sorrindo e com os braços abertos e jogados para o ar, está escrito: “Criança viada que faz entrada triunfal nos ambientes”, e na imagem em que aparece um rapaz ao lado de uma Ilhama, a legenda é “Criança viada amiga dos animais”.

Difusão e Repercussão

O meme se popularizou rapidamente, e não só entre a comunidade LGBT. As pessoas logo entenderam o espírito da página e perceberam que se tratava de uma brincadeira, nunca tratando as crianças das fotos de maneira pejorativa. O próprio criador da página afirma que essa nunca foi a intenção: “Para mim, o ‘Criança Viada’ é motivo de orgulho, porque mostra que ser afeminado ou masculinizado é um problema dos adultos, assim como a sexualidade como um todo. O ‘Criança Viada’ é também uma ode a todos os “pintosos” e “pintosas” que sofrem preconceito dentro da comunidade LGBT. No fim das contas, é um Tumblr sobre ser fabuloso e livre!”, escreveu Iran Giusti.
Porém, logo que a página se popularizou, muitos perfis falsos surgiram no Twitter e Facebook. Iran pediu a esses administradores que excluíssem as páginas fakes, afirmando que era preciso cuidado para que as fotos não virassem motivo de deboche e que era necessária a autorização das pessoas para que elas fossem publicadas. Ele não teve, no entanto, seu pedido atendido.
Em 2013, Jean Luccas, dono de uma página fake do “Criança Viada” no Facebook, postou um vídeo não autorizado de um menino imitando uma coreografia da cantora Lady Gaga. O registro se popularizou rapidamente, e a própria cantora o compartilhou em sua página no Facebook. O menino do vídeo, no entanto, passou a ser motivo de chacota nas redes sociais e foi vítima de comentário homofóbicos.
Chateado com a repercussão dessa página falsa e com o fato de o nome de seu Tumblr ter sido usado para agredir esse menino, Iran Giusti decidiu desativar o blog. Assim, em 2013, ele parou de postar as fotos, deixando apenas as antigas publicações, e escreveu um texto em que explica o motivo da página ter chegado ao fim.
Hoje, mesmo com a página desativada, o Tumblr continua sendo acessado e compartilhado. Além disso, o termo “criança viada” se tornou recorrente na gíria popular. Embora ele seja usado por algumas pessoas de maneira pejorativa, mostra como o meme obteve expressivo sucesso e se fixou definitivamente no imaginário popular.

Exemplos Notáveis

 

Tito Belo Gil
0 publicações
0 comentários
Nome
Tito
About / Bio
Tito Belo Gil é calouro de Estudos de Mídia e voluntário do #MUSEUdeMEMES. Antes de ir para a faculdade, ele escova os dentes com pó de cúrcuma e no intervalo gosta de lanchar raiz de broto de alfafa-braba, sempre acompanhada de areia com pedaços de borracha. Tito também acredita que você pode estar substituindo sua felicidade por muito estudo e alimentação saudável.
 
 

2 comentários

  1. Renato Maia disse:

    primeiro

  2. nadja disse:

    A ideia não é original e sim do blog “Born this way” lançado em 2011.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *