Arco-íris toma conta do Facebook

885x592-11667534-10102203860243201-2713296330820668368-n-20150626162410

Junho de 2015 tornou-se um mês marcante, afinal, não é todo o dia que a maior potência do mundo determina que todos os homossexuais do seu país podem se casar, certo? Pois foi exatamente isso que aconteceu, a Suprema Corte dos Estados Unidos legalizou no dia 26 de junho a união civil entre pessoas do mesmo sexo em todos os seus cinquenta estados.

É claro que, como sempre, os usuários das redes sociais não deixaram essa data passar em branco, principalmente, após a nova ferramenta criada pelo Facebook para a comemoração dessa data.

Origem

O site criou, logo após a aprovação da lei, uma forma dos seus usuários manifestarem seu apoio através de um filtro com a cor de arco-íris – cores que fazem parte da bandeira do movimento LGBT ‐ adicionado às fotos de perfil e o próprio Mark Zuckeberg aderiu à moda, além de muitas outras celebridades.

Problematização

Não é de hoje que os memes são usados para abordar assuntos mais sérios dentro das redes sociais. Muitas vezes eles surgem em forma de deboche, para alertar às pessoas o quão sério é o assunto enquanto, em outras situações, eles aparecem apenas para conscientizar aos que podem não ter entendido ou concordado com o assunto discutido e existem ainda os que só aparecem para criar uma zueira e quebrar a tensão que os assuntos sérios costumam causar.

Dessa vez, as pessoas que explicitaram seu apoio à comunidade LGBT capricharam no uso do arco-íris em suas criações. Os memes brasileiros utilizam, principalmente, outros memes já comuns em nossas redes sociais com um arco-íris inseridos neles enquanto outros se aproveitam do humor para ir contra o pensamento de pessoas famosas que disseminam discursos contra a lei aprovada.

Esse é um exemplo claro de que os memes são capazes de fazer parte de uma forma de comunicação e expressão com uma intenção política séria por trás. Afinal, é como dizem por aí: “Toda brincadeira tem um fundo de verdade”.

1 comentários

  1. Renato Maia disse:

    primeiro

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *